JPMotos
Cadastro Positivo pode inserir R$ 29 bi na economia do CE em 10 anos
16 de novembro de 2019 às 06:06
16
Visualizações

Pensado para beneficiar os bons pagadores, o Cadastro Positivo começou a ter os dados dos consumidores repassados entre birôs e bancos na última segunda-feira (11). No Ceará, segundo informou a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Fortaleza, “a estimativa é de cerca de 1 milhão de pessoas que podem passar a ter acesso a crédito e também um volume de R$ 29 bilhões que podem ser inseridos na economia cearense nos próximos 10 anos por conta do Cadastro Positivo”.

Os dados repassados pela gerente de Negócios e Relacionamento da CDL, Ana Isabel Martins, indicam ainda que cerca de 160 mil empresas de pequeno e médio porte poderão acessar R$ 18,7 bilhões na mesma comparação.

Por lei, os birôs de crédito terão 30 dias a partir do recebimento dos dados para comunicar os consumidores sobre a abertura do seu cadastro e a inclusão no Cadastro Positivo. O meio de comunicação usado com os consumidores será de acordo com os tipos de contatos dos clientes encaminhados pelos bancos. O envio desses dados por parte dessas instituições deve acontecer até dia 22 de novembro.

Essa troca de informações entre bancos e birôs, no entanto, acontece com quatro meses de atraso: esse processo poderia ter sido iniciado desde 9 de julho, quando a lei foi sancionada.

Aviso de inclusão

“O consumidor que tiver a informação enviada hoje pela instituição financeira, já poderá receber a comunicação de inclusão no Cadastro Positivo a partir de amanhã. A ideia é que esse aviso explique um pouco sobre o que é o Cadastro Positivo e forneça os remetentes oficiais nos quais o consumidor possa tirar suas dúvidas”, explicou o gerente de Cadastro Positivo do SPC Brasil, Vilásio Pereira, na semana.

Com a expectativa de que grande parte das notificações vai utilizar meios digitais, o esforço dos birôs está voltado para tornar os e-mails mais informativos e com links direcionados para fontes oficiais.

“Há uma forte base tecnológica e de segurança para que os e-mails não sejam confundidos com spams ou tenham abertura para fraude. Isso vai garantir que a comunicação não gere problemas, principalmente porque o envio será feito em grandes quantidades”, explicou o diretor de dados da Boa Vista, Ronaldo dos Santos Sachetto.

Alerta para fraudes

Para a diretora de operações de dados da Serasa, Leila Martins, porém, mais do que o esforço dos birôs em comunicar sobre o Cadastro Positivo, é importante que os consumidores fiquem atentos à possíveis tentativas de fraudes e que, caso haja dúvida, busquem informações nos locais oficiais.

“Não haverá, em nenhuma comunicação, algum pedido de dado pessoal ou sensível. É isso o que distingue uma comunicação verdadeira de uma fraudulenta. Além disso, todo o processo do Cadastro Positivo será feito de maneira conjunta e sempre de forma a garantir a segurança do consumidor”, completou Leila.

Segundo o presidente da ANBC (Associação Nacional dos Bureaus de Crédito), Elias Sfeir, cerca de 120 milhões de pessoas estarão inclusas no Cadastro nessa primeira fase. Esse número pode aumentar para 150 milhões conforme os demais setores da economia também estejam adaptados ao Cadastro Positivo. A segunda parte deve acontecer ao longo do próximo ano.

“As conversas com os demais setores já acontecem há mais de seis meses. Em primeiro lugar vieram as instituições financeiras, mas em seguida virão os segmentos de telecomunicações, utilidades e varejo, nesta ordem, que devem completar as informações que estão sendo recebidas agora e também trazer os não bancarizados”, afirma.

Diário do Nordeste

ComentáriosComentários