JPMotos
Fifa investiga CBF por gritos de ´bicha´ em Manaus e pode multá-la pela 1ª vez
16 de setembro de 2016 às 12:57
4
Visualizações

20160916070041_5889_capaPela primeira vez, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pode ser multada pela Fifa devido a atitudes homofóbicas de seus torcedores. Na partida entre Brasil e Colômbia, em 6 de setembro, pelas eliminatórias da Copa de 2018, boa parte das pessoas presentes na Arena da Amazônia, em Manaus, gritaram “bicha” enquanto o goleiro adversário David Ospina cobrava os tiros de meta.

A Fifa confirmou à Folha que, a partir de informações recebidas de seus observadores presentes na Arena da Amazônia, foi decidida a abertura de um “processo disciplinar” para avaliar os atos dos torcedores durante o jogo. A análise do material será feita pelo Comitê Disciplinar da entidade, que então decidirá se a CBF será punida. O grupo tem reunião agendada nas próximas duas semanas, mas ainda não está definido se a discussão do caso da CBF entrará em pauta nesse primeiro encontro.

“Podemos confirmar que um processo disciplinar foi aberto contra a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pelos incidentes durante a partida do dia 6 de setembro entre Brasil e Colômbia pelas eliminatórias da Copa do Mundo da Fifa. No momento, não é possível especular sobre qualquer decisão a ser tomada pelo Comitê Disciplinar da Fifa, que irá julgar todos os casos com base nas especificidades de cada um e após uma análise profunda de todas as informações e provas disponíveis. A decisão será publicada após a próxima reunião do Comitê Disciplinar da Fifa e depois de as partes envolvidas terem sido notificadas”, disse a Fifa via assessoria de imprensa.

A despeito de a abertura de processo ser inédita no caso da CBF, não se pode dizer que é surpreendente. Desde o início do ano, a Fifa tem multado diversas federações devido a gritos homofóbicos.

Argentina, Chile, Peru e Uruguai já foram multados e advertidos pela entidade pelo grito de “puto” de seus torcedores quando o goleiro rival cobra o tiro de meta. O México, na Concacaf (confederação das Américas do Norte e Central), também já foi punido por essa razão. As multas variaram entre R$ 20 mil (Peru e Chile) a R$ 75 mil (Argentina e México).

Nos países de língua espanhola, “puto” é uma maneira pejorativa de se referir a homossexuais. No México, pelo menos desde 2004, quando o arqueiro do time contrário se prepara para repor a bola em jogo, os torcedores iniciam o canto com um longo “eee” e finalizam com o “puto” quando o tiro de meta é batido.

Nos últimos anos, com clubes do México na Libertadores, os brasileiros passaram a fazer o mesmo, trocando o “puto” por “bicha”. Torcedores do Corinthians foram os primeiros a importar a hostilidade, geralmente dirigida ao então goleiro do São Paulo, Rogério Ceni. Durante a Copa do Mundo de 2014, os gritos foram frequentes e desde então foram adotados não somente por membros de torcidas organizadas –durante a Olimpíada deste ano, eles aconteceram em quase todos os jogos de futebol do evento. No final de 2014, a diretoria do Corinthians soltou uma nota em que pedia o fim da manifestação homofóbica.

Procurada, a CBF não quis se manifestar sobre o tema.

EXEMPLOS

Para Flavio de Campos, professor do departamento de História da Universidade de São Paulo e coordenador do Ludens, núcleo de pesquisas sobre esportes, a medida deve ser valorizada.

“Existe um circuito de complacência com a homofobia no espaço do futebol. Vem dos outros torcedores, que acham engraçado o grito de ´bicha´; de narradores de futebol e ex-atletas, que podiam chamar atenção ao problema durante as transmissões e não o fazem; e também das entidades, como clubes e federações, que são coniventes com diversas formas de brutalidade. Não é brincadeirinha: trata-se da aniquilação da possibilidade de torcedores homossexuais nos estádios. Nesse sentido, a iniciativa da Fifa é positiva”, analisa.

“Muito da vocalidade e da gestualidade das torcidas organizadas são mimetizadas de outros lugares, como nesse caso, com origem no México. Um clube que seria legal que mimetizassem seria o St. Pauli, de Hamburgo, um clube que tem um posicionamento contra todos os preconceitos: a estrangeiros, a homossexuais. Uma torcida que baniu membros de extrema-direita. Seria bom dar visibilidade a esse tipo de torcida”.

Para o professor, ainda que positiva, a medida da Fifa poderia ser mais acertada.

“Oferecer a punição diretamente, sem um histórico de medidas, é hipócrita. No campo do futebol, o ideal seria uma campanha mundial contra a homofobia. Uma campanha educativa mais profunda, mostrando que se trata de uma violação de um direito básico do ser humano. Dar um toque no colega ao lado, fazê-lo entender as consequências da discriminação. Fazer faixas como aquelas contra o racismo. Apenas punir é inócuo, mas pelo menos tira as pessoas da zona de conforto, mobiliza o debate”, conclui.

Fonte: Folha de S. Paulo

ComentáriosComentários