JPMotos
Itália impede entrada e navio de resgate de imigrantes fica à deriva
12 de junho de 2018 às 06:24
32
Visualizações

Um navio de resgate com mais de 600 migrantes a bordo estava à deriva em águas internacionais nesta segunda-feira, depois que o novo ministro do Interior da Itália reforçou sua decisão de não deixá-lo aportar em terras italianas.

Matteo Salvini, líder do partido nacionalista de extrema-direita Liga, que fez campanha prometendo conter o expressivo fluxo de migrantes da África, bloqueou neste final de semana a embarcação, operada pelas organizações SOS Mediterranee e Médicos Sem Fronteiras.

“Salvar vidas no mar é um dever, mas transformar a Itália em um gigantesco campo de refugiados não é”, disse Salvini no Facebook nesta segunda-feira. “A Itália não irá mais abaixar a cabeça e obedecer. Desta vez há alguém dizendo não”.

O navio de resgate Aquarius tem 629 imigrantes a bordo, incluindo 123 menores não acompanhados, 11 outras crianças e sete mulheres grávidas.

Fotos publicadas pela SOS Mediterranee mostravam centenas de africanos agrupados abordo, incluindo uma jovem menina embrulhada em um cobertor nos braços de um trabalhador de resgate. A organização afirmou que a embarcação tem os suprimentos necessários para alimentar os migrantes por pelo menos mais um dia.

Por lei, será difícil que a Itália recuse dar abrigo à embarcação, já que sua própria Guarda Costeira coordenou os resgates. Embarcações da Guarda Costeira resgataram mais de 280 migrantes em três diferentes barcos e os transferiram para o Aquarius para que fossem levados até um lugar seguro.

Salvini disse que a Itália não deveria ser o único país a receber barcos chegando do norte da África, exigindo que Malta, que é mais próxima da Líbia, permita que o navio desembarque.

O primeiro-ministro maltês, Joseph Muscat, disse ao seu equivalente italiano, Giuseppe Conte, que não receberia a embarcação.

“Estamos preocupados com as ordens dadas pelas autoridades italianas ao Aquarius em alto mar. Elas deliberadamente vão contra regras internacionais, e arriscam criar uma situação perigosa para todos os envolvidos”, disse Muscat no Twitter.

Malta permite um pequeno número de barcos de resgate, mas sempre recusa grandes números.  A pequena ilha, que tem menos de meio milhão de habitantes, diz que já recebe mais refugiados per capita do que a Itália.

A Itália já recebeu mais de 600 mil 9migrantes que chegaram de barco desde 2014.

O parlamentar da Liga Nicola Molteni disse que bloquear a embarcação era uma mensagem para a União Europeia, que segundo o partido falhou em ajudar a Itália a lidar com a crise de migração.

“Queremos mandar uma mensagem clara”, disse Molteni em uma entrevista a um jornal. “Ou outros portos se abrem (aos migrantes) — e eu estou pensando em Barcelona, Marselha e Malta — ou esse impasse continua”.

Terra

ComentáriosComentários