JPMotos
Mulher de Eike Batista reclama da demora na liberação de empresário para a prisão domiciliar: ´Absurdo´
1 de maio de 2017 às 09:01

Flávia Sampaio, mulher de Eike Batista, usou uma rede social para criticar a demora na liberação do empresário da Penitenciária Bandeira Stampa (Bangu 9), no Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste do Rio, para a prisão domiciliar, neste domingo. Através de sua conta no Instagram, a empresária reclamou dos mais de dois dias que teve de esperar para que fosse cumprida a determinação judicial de liberação do companheiro dela.

“Mais de 40 horas para fazer cumprir a decisão da Suprema Corte! Isso aí, Brasil! Assim você vai longe! Quem quer dar exemplo dá exemplo”, escreveu Flávia, antes de completar. “Esse absudo ninguém fala! E, ainda a oficial de justiça marca às 7h da manhã (extamente 36h da decisão), e até agora, cadê?! Respeito?! Oi?! #Brasil #SemEsperança”.

Eike Batista deixou Bangu 9 na manhã deste domingo após o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes determinar sua libertação. Eike terá que ficar em prisão domiciliar, na mansão em que mora no alto do Jardim Botânico, Zona Sul do Rio, por decisão do juiz Gustavo Arruda, da Justiça Federal do Rio de Janeiro.

Com a determinação, Arruda repetiu o juiz Marcelo Bretas que, no início do mês, quando Gilmar libertou Flávio Godinho, ex-braço-direito de Eike, determinou que ele fosse para prisão domiciliar.

Segundo a decisão, Eike continuará afastado da administração de suas empresas. Ele também não poderá ter contato com qualquer pessoa investigada na Lava-Jato. O juiz também determinou que Eike terá que levantar permanentemente o seu sigilo telefônico, enquanto durar os efeitos dessas medidas cautelares. O ex-empresário terá também que entregar o passaporte e só poderá receber visitas de parentes e advogados.

Eike é acusado de ter pago propina ao então governador Sérgio Cabral no valor de US$ 16,5 milhões. Também é suspeito de ter praticado lavagem de dinheiro, porque ocultou a origem do dinheiro. Segundo a denúncia, Flávio Godinho, ligado a Eike, teria sido o responsável por montar contratos internacionais fictícios de prestação de serviços de consultoria para justificar o repasse dos recursos no exterior.

A prisão preventiva de Eike foi decretada no dia 13 de janeiro, pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro. O empresário, que estava em viagem internacional, retornou ao Brasil e se entregou à Polícia Federal dia 30 daquele mês.

Fonte: Extra Online

183 total views, 1 views today

ComentáriosComentários