JPMotos
Preso na Espanha: Padrasto de Joaquim foi achado após se gabar de driblar a polícia
2 de maio de 2017 às 10:11

Acusado pela morte do enteado Joaquim Ponte Marques, de apenas 3 anos, em 2013, Guilherme Raymo Longo foi  preso na última quinta-feira em Barcelona, na Espanha, pela Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol). Desaparecido há 7 meses, Longo foi encontrado depois de contar a um americano que havia cometido um assassinato em 2013 e vangloriar-se de ter escapado da polícia. O americano contou o caso a uma amiga brasileira, que mora no Chile e não quis se identificar. Ela reconheceu Longo e entrou em contato com o advogado de Arthur Paes, pai do menino.

Com base nas informações compartilhadas pela brasileira, o produtor do Fantástico, Evando Siqueira, conseguiu rastrear os passos de Longo e descobriu seu paradeiro em Barcelona, como mostrou o programa neste domingo. Longo tirou um passaporte no final de 2016 com o nome falso de Gustavo Triani e fugiu para o Uruguai, de onde embarcou para Espanha. Siqueira esteve no alberque em que ele se hospedou no começo do mês e teve acesso à copia de seu passaporte, documento obrigatório para fazer o check-in, que mostrou que o homem que se apresentava como Gustavo era mesmo Longo.

Apesar de já não estar mais hospedado no albergue, o suspeito deixou no local pistas que levaram a sua captura. Longo havia comentado que estava procurando emprego e indicou os bares e restaurantes que frequentava. Em um deles, deixou seu currículo, com um número de telefone para contato. Além disso, Longo tinha uma página na rede social Facebook com sua identidade falsa e participava de um grupo online de brasileiros em Barcelona. A produção do Fantástico marcou por mensagem um encontro oferendo emprego e alertou as autoridades.

Longo está preso no complexo penitenciário de Barcelona e deve ser encaminhado ao presídio de Tremembé, no interior paulista, onde aguardará pelo julgamento, ainda sem data definida. Denunciado por homicídio triplamente qualificado, sua pena pode chegar a 30 anos de prisão. Seu advogado nega o envolvimento de Longo na morte do enteado.

O crime

Segundo as investigações, Joaquim foi vítima de uma dose excessiva de insulina, aplicada pelo padrasto em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Joaquim era diabético e dependia da medicação. Após a morte do menino, Longo teria jogado o corpo no córrego Tanquinho, localizado a cerca de 200 metros de onde moravam e, de lá, ele teria sido levado pela correnteza até o rio Pardo, em Barretos, interior paulista.

Fonte: Veja Online

245 total views, 2 views today

ComentáriosComentários