JPMotos
64,4% das rodovias do Ceará são ruins, péssimas ou regulares
27 de outubro de 2016 às 08:52

20161027065058_3589_capa

A edição 2016 da pesquisa da Confederação Nacional de Transporte (CNT), divulgada ontem, sobre as rodovias brasileiras revelou que 64,4% das estradas do Ceará se encontram em situação regular, ruim ou péssima, enquanto apenas 35,6% foram consideradas boas ou ótimas. Para a elaboração do relatório, foram avaliadas condições de pavimento, sinalização e geometria da via em 3.525km de rodovias cearenses, tanto estaduais quanto federais. O resultado obtido neste ano representa uma piora em relação a 2015, quando a porcentagem de malha viária com deficiências de infraestrutura ficou em 58,4%.

De acordo com os dados da CNT, problemas relacionados à geometria da via (categoria que analisa, dentre outros pontos, a presença de pontes e viadutos, curvas perigosas e acostamentos) atingiram grande parte da extensão total avaliada, precisamente 85,9%. Tal percentual da malha viária foi considerado regular, ruim ou péssima.

Já em relação às condições de pavimento, 58,1% da malha viária recebeu uma das três piores classificações. Segundo a pesquisa, as falhas envolvem, principalmente, a qualidade da superfície do pavimento. Cerca de 65,8% dos trechos monitorados no Ceará estão com asfalto desgastado; 9% com trincas ou remendos; 3,2% com afundamentos, ondulações ou buracos; e 0,6% se encontram totalmente destruídos.

Dentre os itens avaliados, a sinalização obteve o desempenho mais satisfatório nas rodovias do Estado. Ao todo, 45,8% das estradas apresentam situação regular, ruim ou péssima. Nas rodovias, 96,5% da extensão possui placas visíveis e 90,9% legíveis. Já a pintura das faixas centrais e laterais são visíveis em 71,3% e 67,4% da malha viária, respectivamente.

Segundo o relatório da CNT, o quadro é mais agravante nas rodovias estaduais. O percentual de trechos nas CEs considerados regulares, ruins ou péssimos chega a 92,7%. Apenas 7,3% foram classificados como bons ou ótimos. Nas rodovias federais, 50% da extensão pesquisada obteve resultados insatisfatórios e 50% apresentou condições adequadas.

Verbas

Para a engenheira Verônica Castelo-Branco, professora do Departamento de Engenharia de Transportes da Universidade Federal do Ceará (UFC), as deficiências são resultado da falta de investimentos planejados no setor. De acordo com os dados da CNT, as verbas utilizadas na recuperação do pavimento e na conservação de rodovias neste ano totalizaram aproximadamente R$ 2 bilhões. No Nordeste, estados como Alagoas e Paraíba, que registraram investimentos inferiores aos do Ceará, tiveram melhor desempenho na avaliação da Confederação.

“Obras em rodovias exigem volume elevado de recursos e precisam de uma gestão, pelo menos, de médio e longo prazo”, destaca a professora. “Elas precisam ser revisitadas para serem restauradas ou mantidas. Se não gerenciam essas obras, elas correm risco de se deteriorar mais rápido ou de deixarem de usar a capacidade que poderiam”, acrescenta.

A assessoria de imprensa do Departamento Estadual de Rodovias (DER) informou ao Diário do Nordeste que técnicos do órgão estão analisando os dados da pesquisa e devem se pronunciar somente nesta quinta-feira (27). Já a assessoria de comunicação da Superintendência Estadual do Departamento Nacional de Estrutura de Transportes (Dnit) não atendeu a telefonemas e nem respondeu ao e-mail enviados pela reportagem.

Vias do nordeste

Regulares, ruins ou péssimas

1º Rio Grande do Norte: 79,6%

2º Sergipe: 66,9%

3º Piauí: 65,3%

4º Ceará: 64,4%

5º Bahia: 63,4%

6º Maranhão: 62,2%

7º Pernambuco: 57,9%

8º Paraíba: 56%

9º Alagoas: 42,5%

Fonte: Diário do Nordeste

57 total views, 1 views today

ComentáriosComentários