JPMotos
Após 72 horas do desabamento do Edifício Andréa, bombeiros lutam contra o tempo em busca de sobreviventes
18 de outubro de 2019 às 11:09
30
Visualizações

Desabamento 120

Nesta sexta-feira, caçambas continuaram retirando escombros já revirados pelos bombeiros 

Desabamento 150

Grupos religiosos estão presentes no entorno do local da tragédia fazendo orações 

Após 72 horas do desabamento do Edifício Andréa, no bairro Dionísio Torres, na zona nobre de Fortaleza, bombeiros lutam contra o tempo em busca de encontrar sobreviventes do desastre. As chances de localizar pessoas ainda vivas em meio a toneladas de ferro, vigas, tijolos e muita areia estão ficando cada vez, mais escassas. No entanto, os bombeiros prosseguem nas escavações e retiradas de materiais e estão chegando a locais mais profundos em meio aos destroços do imóvel.

Quatro pessoas estão na lista dos desaparecidos, entre elas, a síndica do prédio, Maria das Graças Rodrigues, 70 anos, que, em um vídeo, foi filmada no térreo do edifício no momento em que ocorre o desabamento. Também estão sumidos um cuidador de idosos, uma empregada doméstica e um técnico de ar-condicionado. Os três prestavam serviços nos apartamentos do Edifício Andréa.

Nesta manhã de sexta-feira, podiam ser vistos à distância, caminhões -caçamba e tratores que estão sendo novamente empregados na retirada do entulho que se amontoou na esquina das ruas Tomás Acioli e Tibúrcio Cavalcante, esquina que se transformou em lugar da tragédia na manhã de terça-feira passada.

Apoio

Voluntários e grupos religiosos se revezam no entorno do local da tragédia. Um desses pontos fica bem próximo ao mercadinho onde uma das vítimas foi encontrada morta sob os escombros. O estabelecimento ficava em frente ao edifício.

Também nesta quinta-feira (17), um bombeiro militar ficou ferido quando trabalhava na linha de frente do resgate nos escombros do edifício. Ele foi atingido nos olhos com fagulhas de uma máquina que era usada no corte de uma estrutura de ferro nas vigas do prédio que ruiu. O militar foi atendido, inicialmente, no local, em uma ambulância UTI-Móvel do Samu e, logo depois, transferido para o IJF-Centro.

Com Parceria  Fernando Ribeiro

ComentáriosComentários