JPMotos
Orós-CE: Moradores de Orós fazem protesto por água no Açude
8 de fevereiro de 2017 às 11:36

20170208065043_9083_capa

Centenas de moradores desta cidade, na região Centro-Sul do Ceará, participaram, na manhã de ontem, de uma manifestação contra a abertura em vazão máxima da válvula dispersora do Açude Orós, que libera água para o Açude Castanhão, por meio do Rio Jaguaribe, e para outras cidades do Baixo Jaguaribe. Houve invasão do entorno da casa das máquinas e retirada de sacos de areia de contenção para facilitar o alagamento da unidade de bombeamento.

O objetivo dos manifestantes era impedir o funcionamento das máquinas de bombeamento. O protesto começou às 8h, com a interdição da ponte sobre o Rio Jaguaribe, no trecho da Rodovia Padre Cícero, por 30min. Depois, os manifestantes foram até a válvula dispersora. O temor dos moradores é o esvaziamento do reservatório nos próximos meses e a falta de água para atender à demanda local e dos produtores rurais no entorno da bacia do Açude. Esse foi o terceiro protesto. O primeiro ocorreu em julho de 2016 e o segundo, em novembro.

Na manifestação de ontem, policiais militares acompanharam o ato, mas não houve confrontos. Os organizadores afirmaram que não eram contrários à liberação de água para atender as necessidades da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), mas a falta de medidas compensatórias e de permanência de um mínimo de água para suprir a demanda local.

O integrante do Comitê da Bacia do Alto Jaguaribe, Paulo Landim, disse que a liberação de 16m3/s, no Açude Orós, foi definida em reunião dos comitês, em julho de 2016, com prazo de encerramento em 31 de janeiro passado. “Já se passaram mais de seis dias e até agora não houve nenhuma manifestação por parte do governo do Estado e da Cogerh (Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos)”, disse Landim. “Não sabemos quando haverá nova reunião. Pelo visto, os comitês têm apenas papel decorativo, já que todas as decisões são impostas pelo governo”.

Paulo Landim disse que a manifestação tem o objetivo de sensibilizar o governo. “Os produtores e moradores do entorno do açude estão sendo prejudicados com a retirada excessiva de água”, frisou. O Açude Orós acumula atualmente 11,7% de sua capacidade. “A situação vem se agravando cada vez mais, e, sem chuva, o nosso temor é a falta de água”, reafirmou Landim.

O nível do açude cai 4cm a cada 24h. A liberação representa o volume de cinco carros-pipa a cada dois segundos. A redução de água no reservatório preocupa os moradores. “Secaram o Banabuiú, o Castanhão e outros açudes para atender a demanda da Região de Fortaleza, projetos de irrigação e agora estão esvaziando o Orós”, lamentou o professor Carlos Custódio.

Após o protesto, a Cogerh, por meio de nota, esclareceu que a liberação de água para as sedes de Jaguaribe e Jaguaretama, comunidades ribeirinhas e transferência para RMF não foi prejudicada. Hoje, uma equipe da Cogerh irá ao local para elaborar estudo para restabelecer o bombeamento do sistema Orós-Feiticeiro, que foi afetado.

A Cogerh esclareceu, ainda, que no XXIII Seminário de Alocação Negociada das Águas dos Vales do Jaguaribe e Banabuiú, no dia 20 de julho, em Limoeiro Norte, ficou deliberado que o Orós iria contribuir para a segurança hídrica do Vale do Jaguaribe e, complementarmente, para a RMF. Assim, foi aprovado pelo Comitês de Bacias Hidrográficas que o reservatório chegaria, no dia 1º de fevereiro de 2017, com o volume de 171,1 mi de m³, no entanto, no dia 6 de fevereiro, o açude ainda encontra-se com 227,06 mi de m³.

Fonte: Diário do Nordeste

140 total views, 1 views today

ComentáriosComentários