JPMotos
Adolescente é fuzilada nas ruas do Bom Jardim numa noite de terror e toque de recolher no bairro
27 de abril de 2018 às 16:00
38
Visualizações

Rabecão da Pefoce recolheu o corpo da garota na Rua Juliana Nojosa, na noite de ontem

Uma garota de aproximadamente 17 anos, se tornou a mais recente vítima da guerra travada entre facções criminosas nas ruas do Grande Bom Jardim nas últimas 48 horas. Na noite desta quinta-feira, em meio a um toque de recolher imposto pelos bandidos no bairro, a jovem foi executada a tiros. A Polícia só apareceu no local do crime cerca de uma hora depois, segundo o relato dos moradores. O clima continua de tensão no antes denominado “Território da Paz”, na zona Sul de Fortaleza.

Passavam poucos minutos das 19 horas, quando um grupo de quatro pessoas seguia à pé pela Rua Juliana Nojosa, próximo à comunidade Marrocos, quando foram surpreendidas pelos assassinos. Eram homens pertencentes a uma das facções criminosas em “guerra” pelo território. A garota foi a escolhida do grupo para a execução sumária. A jovem foi tirada do meio de seus amigos e fuzilada, sem chance alguma de defesa.

Segundo os moradores, o corpo da garota ficou estendido no meio da rua deserta, até que, cerca de uma hora depois, uma patrulha da Polícia Militar apareceu após uma chamada anônima à Ciops relatando o assassinato. Equipes da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e da perícia Forense do Ceará (Pefoce) iniciaram as investigações. A Polícia acredita que o crime tenha sido praticado por ordem de traficantes da região.

Pânico e toque de recolher

A disputa de facções nas ruas do Bom Jardim deixou um rastro de sangue e morte nas últimas 72 horas. Na madrugada de quarta-feira (25), um intenso tiroteio ocorreu na comunidade do Urubu, quando um grupo de criminosos encapuzados e fortemente armados tentou invadir o território de outra facção e se deparou com duas patrulhas da PM. Os policiais sofreram uma emboscada e o tiroteio se estendeu por mais de uma hora. Um PM ficou ferido.

Horas depois, por volta do meio-dia, outro cerco policial no mesmo bairro, terminou em tragédia. Um garoto de apenas 6 anos de idade foi baleado e morto quando a Polícia tentava prender duas ex-presidiárias que escondiam armas e drogas em uma residência na Rua Nova Conquista. Segundo versão da PM, a tia do garoto, que havia atirado contra os policiais da Coordenadoria de Inteligência Policial (CIP) e baleado um militar, usou o próprio sobrinho como “escudo humano”. O garoto José Isaac Santiago da Silva não resistiu aos ferimentos a tiros. A avó também ficou ferida.

Ainda na quarta-feira, já à noite, durante uma perseguição a um grupo de bandidos armados nas ruas do Bom Jardim, um jovem morador daquela comunidade foi atropelado e morto por uma viatura descaracterizada do Serviço de Inteligência da PM. Em seguida, moradores fizeram um protesto no bairro e queimaram pneus.

Com Informação Fernando Ribeiro

ComentáriosComentários