JPMotos
Conselho Estadual de Segurança aguarda do governo um plano para o combate à violência em 2018
17 de Janeiro de 2018 às 11:32
2
Visualizações

André Costa 400 Vasques 11

Delegado André Costa, titular da SSPDS          Advogado Leandro Vasques, presidente do Consesp

O Conselho Estadual de Segurança Pública do Ceará (Consesp) não descartou, ainda, a possibilidade de encaminhar à Presidência da República o pedido de intervenção federal no estado, dado os altos índices da violência e da criminalidade que deixaram mais de cinco mil mortos no ano passado e já fez mais de 250 vítimas de assassinatos em apenas 15 dias do ano novo. O conselho deu prazo para ao governo para que apresente um Plano de Segurança Pública para 2018.

O secretário André Costa, titular da SSPDS, terá duas datas disponíveis (26 de janeiro ou 2 de fevereiro) para apresentar aos membros daquele colegiado  o Plano Estadual de Segurança. O pedido foi feito através de documento encaminhado ao secretário pelo presidente do Conselho, advogado  Leandro Duarte Vasques, através do ofício  datado de 15 de janeiro de 2018.  O ato está baseado na lei estadual número 12.120/93.

O pedido para que o secretário fosse ouvido antes de qualquer decisão do Consesp partiu do representante da Polícia Militar no colegiado, o coronel PM Fernando Albano que, recentemente, assumiu a chefia do Comando do Policiamento da Capital (CPC).

Ordem ameaçada

No ofício, Vasques adverte que a possibilidade do pedido de intervenção federal no Ceará ocorreu em conseqüência dos altos índices da violência no estado que resultam em “grave comprometimento da ordem pública”, assinala.  O presidente solicitou, ainda, que o Consesp seja convidado a ser fazer presente nas reuniões de avaliação das Áreas Integradas de Segurança (AIS), que ocorrem periodicamente. Ressalta que o Conselho não tem sido mais informado de tais encontros.

Na última sexta-feira (12), o secretário André Costa e seus assessores, além dos titulares dos órgãos vinculados à Pasta (Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros Militar, Perícia Forense e Academia Estadual da Segurança Pública) apresentaram à Imprensa os resultados finais da estatística criminal de 2017.  No ano passado, o Ceará registrou um recorde na taxa de Crimes Violentos, Letais e Intencionais (CVLIs). Nada menos, que 5.134 pessoas foram assassinadas no estado, o que representou um aumento da ordem de 50,7 por cento em relação a 2016, quando o Ceará registrou 3.407 CVLIs.

Problema nacional

Em entrevista após a apresentação dos números, André Costa disse ser a favor da intervenção federal não apenas no Ceará, mas em todo o País. Faz coro com o governador Camilo Santana (PT) que tenta transferir a responsabilidade da violência sem controle no Ceará para o governo federal.

Com Informação Fernando Ribeiro

ComentáriosComentários