JPMotos
Motorista de aplicativo que estuprava clientes em Fortaleza é condenado a 14 anos de prisão
4 de julho de 2019 às 08:08
34
Visualizações
Aplicativo

Patrick foi preso em agosto do ano passado e reconhecido por várias vítimas dos estupros 

A Justiça cearense condenou a uma pena de 14 anos e quatro meses de prisão o motorista do aplicativo 99 Pop, Patrick Carneiro do Nascimento. Ele foi preso por cometer crimes sexuais contra várias clientes em Fortaleza. A sentença foi expedida pela Terceira Vara Criminal de Fortaleza, onde o motorista foi pronunciado pelos crimes de estupro e roubo.

O processo tramitou em segredo de Justiça e, por este motivo, a sentença condenatória só veio à tona nesta quarta-feira (3). A decisão judicial, porém, foi expedida no dia 6 de maio último. A Defensoria Pública Geral do Estado, que fez a defesa do réu no processo, recorreu da condenação, mas o recurso ainda não foi julgado pelo Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE).

Patrick foi preso pela Polícia em agosto do ano passado, sob a suspeita de estuprar jovens que contratavam corridas no carro dele. As queixas sobre os crimes sexuais e ameaças de morte estavam sendo investigadas há várias semanas. As mulheres eram levadas para terrenos baldios nas dunas da Praia do Futuro depois que o motorista desviava a rota contratada.

Patrick Gomes do Nascimento, 26 anos, tem como profissão técnico de Radiologia. No entanto, para atrair as mulheres e estuprá-las ele se cadastrou como motorista do aplicativo e esperava mulheres jovens ligar pedindo corridas em bairros como Cidade 2000, Praia do Futuro, Varjota, Aldeota, Dunas e Vicente Pinzón.

Com as mulheres já no carro, o bandido iniciava o desvio da rota, seguindo em direção às dunas da Praia do Futuro. No caminho, as mulheres se assustavam e ele iniciava as ameaças de morte. De acordo com a Polícia, para encobrir os rastros de seus crimes sexuais, Patrick utilizava contas falsas de aplicativos, alimentadas por informações de pacientes de clínicas veterinárias onde ele também trabalhava.

Ainda de acordo com as autoridades, em pelo menos, dois casos de estupros, o suspeito registrou no aplicativo 99Pop documentos e identidade de pessoas inválidas, uma delas, está internada em tratamento na UTI de hospital da Capital.

Barzinhos

A partir do recebimento das queixas, policiais do 15º DP (Cidade 2000) passaram a trabalhar nas investigações com o apoio de agentes do Departamento de Inteligência Policial (DIP). Em geral, as vítimas dos estupros eram mulheres com idade entre 20 e 25 anos. Segundo o relato das mulheres estupradas, o suspeito era um homem jovem, bem vestido e que falava com educação. Outro ponto da investigação revela que o estuprador preferia apanhar suas vítimas sempre à noite, depois das 22 horas, em barzinhos e restaurantes movimentados na Aldeota. De lá, ele seguia para o local do crime, as dunas da Praia do Futuro. O estuprador filmava as vítimas e fazia ameaças. Temendo serem mortas ou terem suas imagens expostas nas redes sociais, as mulheres preferiam não prestar queixa.

Patrick responde a mais quatro ações penais, que tramitam na 7ª, 14ª, 15ª e 16ª Varas Criminais. Duas delas são por estupro e roubo; uma por estupro; e outra por estelionato. Um dos casos já está pronto para ser julgado. Ele está preso em uma Casa de Privação Provisória da Liberdade (CPPL), em Itaitinga.

Com Informações Fernando Ribeiro

ComentáriosComentários