JPMotos
As pessoas pensam que o presidente pode e sabe tudo, diz FHC a Moro
12 de junho de 2018 às 06:06
19
Visualizações

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso voltou a afirmar ao juiz Sergio Moro, na manhã desta segunda-feira (11), que o presidente não tem condições de saber de tudo que acontece na administração pública durante seu governo. Ele foi arrolado como testemunha de defesa de Luiz Inácio Lula da Silva no processo que envolve o sítio em Atibaia (SP).

“No Brasil as pessoas pensam que o presidente pode tudo e sabe tudo”, afirmou. FHC concordou com a tese da defesa de Lula de que a responsabilidade de eventuais problemas na Petrobras não pode ser transferida para o presidente, acrescentando que não há tempo de saber dos meandros da administração.

Fernando Henrique prestou depoimento por meio de videoconferência com São Paulo. Em fevereiro de 2017, ele já havia falado a Moro como testemunha no caso do tríplex no Guarujá (SP), pelo qual Lula foi condenado a 12 anos e um mês de prisão.

Na ocasião, também defendeu que o presidente não pode ser responsabilizado por toda irregularidade. O teor deste depoimento será aproveitado na ação penal do sítio.

+ Moro se afasta em média 2 dias por mês, mas recebe salário integral

PALESTRAS

Nesta segunda, questionado pela defesa, FHC confirmou que teve encontros com Emilio Odebrecht, assim como com outros empresários. “Eu falava com todo mundo e continuo falando. A função de quem está governando não é escolher o interlocutor. Tem que lidar com personagens públicos”, disse.

Ele afirmou, ainda, que também recebeu doações de entidades privadas para realizar a manutenção de seu acervo presidencial. “Está tudo registrado.”

O ex-presidente também falou sobre suas palestras, ressaltando que os serviços foram sempre declarados. “Como não tenho aposentadoria, tenho que trabalhar. Uma vantagem que eu tenho é que dou palestra em quatro línguas. Tudo tem contrato, agente, tudo declarado.”

Questionado por Moro se alguma das empresas que o contratou para uma palestra reformou alguma propriedade que ele utilizava, como pagamento por fora, o ex-presidente negou. “Jamais, nada disso. Nem por fora, nem participar de reforma. Não tem muita coisa para reformar, só minha cabeça mesmo.”

Nesta ação penal, Lula é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro porque teria se beneficiado de R$ 1,02 milhão em benfeitorias em um sítio que frequentava em Atibaia (SP). Segundo a acusação, as reformas teriam sido pagas pelas empreiteiras Odebrecht e OAS, em troca de contratos das empreiteiras com a Petrobras. O ex-presidente nega todas as acusações.

PEDIDO

Na semana passada, foi anexada aos autos de um dos processos em que Lula é réu uma troca de mensagens entre FHC e Marcelo Odebrecht. Na ocasião, Fernando Henrique pediu ao empresário fundos para a campanha ao Senado de dois tucanos em 2010 – Antero Paes de Barros e Flexa Ribeiro. O pedido foi feito por email e localizado por peritos da Polícia Federal nos discos rígidos do computador de Odebrecht.

O empresário concordou com o auxílio financeiro, mas, na prestação de contas dos candidatos ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), não constam registros de doações oficiais da Odebrecht.

Procurado, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse por meio de sua assessoria de imprensa: “Posso ter pedido, mas era legal. Não sei se deram e não foi a troco de decisões minhas, pois na época eu estava fora dos governos, da República e do Estado.”

 

noticiasaominuto

ComentáriosComentários