JPMotos
Temer avalia discurso se adesão a protestos ficar abaixo do previsto
29 de abril de 2017 às 06:40

O presidente Michel Temer avalia dar uma declaração pública sobre os protestos desta sexta-feira (28) caso a adesão à chamada greve geral continue abaixo da previsão inicial do Palácio do Planalto.

No início da manhã, Temer se reuniu com os ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo) e considerou que o número de pessoas nas ruas em todo o país era bem menor do que apontava o monitoramento encomendado pelo governo no início da semana.

Segundo a reportagem apurou, se decidir se pronunciar publicamente, Temer dirá que as manifestações são democráticas e é preciso respeitá-las, mas enfatizará que não há um sentimento generalizado contra as reformas propostas por sua gestão.

Nas palavras de um assessor do presidente, “a greve geral não aconteceu” e ficou restrita, pelo menos até o início da tarde desta sexta, a movimentos sindicais e ligados a partidos de esquerda.

Inicialmente, o Planalto fazia a avaliação de que os protestos não iria transpor essas categorias. No início da semana, porém, monitoramento interno mostrou que havia uma adesão em outros setores da sociedade, o que preocupou Temer e sua equipe.

A Força Nacional chegou a ser convocada para fazer a segurança do Ministério da Justiça e da Esplanada caso houvesse distúrbio e violência.

No fim da manhã de sexta, porém, o presidente avaliava que as manifestações estavam dispersas e não atraíram o público esperado.

PREVIDÊNCIA

Um dos principais medos do governo era de que a pressão social acusada por protestos generalizados pudesse aumentar as defecções na base aliada para a votação da reforma da Previdência.

Com o número menor de manifestantes nas ruas, Temer vai imprimir o discurso a parlamentares de que não há argumento contrário às mudanças na aposentadoria capaz de gerar uma grande mobilização.

A partir da terça-feira (2), o governo dará início às exonerações para punir deputados da base que votaram contra a reforma trabalhista na Câmara, na quarta-feira (26).

As demissões de apadrinhados de parlamentares todos como infiéis começarão a ser publicadas no Diário Oficial da União.

Nos postos desocupados, o Planalto vai nomear apadrinhados de deputados que votaram com o governo, mas ainda não tinham espaço no segundo e terceiro escalões.

Além do critério partidário, o governo levará em conta para as nomeações as bancadas estaduais.

noticiasaominuto

261 total views, 1 views today

ComentáriosComentários