JPMotos
Ex-‘número 3’ do Vaticano é declarado culpado de pedofilia na Austrália
27 de fevereiro de 2019 às 03:54
20
Visualizações

O cardeal George Pell, que já foi considerado o “número três” do Vaticano, foi declarado culpado de crimes sexuais contra menores na Austrália, tornando-se o mais alto dignatário da Igreja católica condenado em um caso de pedofilia, anunciou uma corte de Melbourne (sul da Austrália) nesta terça-feira 26.

Pell, de 77 anos, foi declarado culpado em um julgamento em dezembro de ter abusado sexualmente de dois coroinhas de 12 e 13 anos na sacristia da Catedral de São Patrício em Melbourne nos anos 1990. Mas o tribunal proibiu até esta terça-feira (noite de segunda, 25, no Brasil) que os meios de comunicação informassem sobre o caso.

O dirigente havia negado as acusações inicialmente e o júri não havia chegado a um veredicto no primeiro julgamento sobre o caso, em setembro, mas o cardeal foi declarado culpado em um novo julgamento, em dezembro.

A corte de Melbourne adotou então uma “ordem de supressão”, que proibia aos veículos fazer qualquer menção ao caso, sob pena de ações legais. Este silêncio forçado foi imposto com o objetivo de proteger o júri de um segundo julgamento em que o cardeal Pell devia responder a outros supostos crimes.

Mas a acusação decidiu abrir mão deste, o que levou à suspensão, nesta terça-feira, da proibição a que a imprensa reportasse o caso, autorizando aos veículos a anunciar o veredicto de culpa. A pena que será imposta ao cardeal não foi decidida. Na quarta-feira está prevista a audiência de sentença.

Os advogados do cardeal anunciam à AFP a intenção de apelar. “O cardeal George Pell sempre manteve sua inocência e continua fazendo”, disse um comunicado publicado nesta terça-feira por seus advogados.

George Pell deixou suas funções no Vaticano para se defender, mas sobre o papel continua aparecendo no comando da secretaria de Economia da Santa Sé, ou seja, como o número três do Vaticano.

Um dos coroinhas vítimas de Pell morreu em 2014. O outro informou em um comunicado publicado por seu advogado que o processo legal é estressante e “ainda não terminou”.

“Como muitos sobreviventes, experimentei vergonha, solidão, depressão e dificuldades. Como muitos sobreviventes, demorei anos para compreender o impacto que deve na minha vida”, disse a vítima, que não foi identificada publicamente.

Às portas da corte, defensores de outras vítimas de abusos receberam Pell aos gritos de “monstro” e “apodreça no inferno”, quando o cardeal deixou a corte ao final da audiência.

Fonte: Veja

ComentáriosComentários