JPMotos
Pastor ameaça fiéis que jogarem Pokemon Go
22 de julho de 2016 às 08:28
70
Visualizações

poltrona-pokemon-mc-lanche-feliz-696x464

O pastor William Zanotelli Junior repreendeu os fiéis da Assembleia de Deus sobre o jogo “Pokemon Go”. Quem jogar será sumariamente expulso da Igreja, sem perdão.

O pastor William Zanotelli Junior entregou a cada um dos fiéis da Igreja Assembleia de Deus do município de Cacoal, no estado de Rondônia , uma carta advertência sobre a chegada no Brasil do aplicativo Pokemon Go. Segundo o pastor William “esta é mais uma tentativa do inimigo de tirar o foco dos cristãos. Jesus disse, ide e anunciai o evangelho. Não posso permitir que um jogo de monstros tire uma ovelha do caminho”.

O pastor teria realizado uma longa pesquisa sobre os significados ocultos na narrativa dos Pokemons, e descobriu fatos torpes que a população mediana não alcança racionalmente, mas subliminarmente o cérebro dos expectadores dos desenhos animados e os jogadores deste game estariam sendo alimentados por conteúdos satânicos.

A palavras Pokemon, segundo o estudo realizado pelo pastor William, significaria “Demônio de Bolso”. O jogo Pokemon Go, que atualmente é o aplicativo mais baixado em celulares de todo o mundo, pede para que os jogadores capturem nas ruas Pokemons virtuais para um exército. Mas o pastor adverte, “o que as pessoas não perceberam é que estão levando demônios para seus lares e suas vidas”.

Na carta enviada aos féis a ameaça está bem explícita, como podemos notar neste trecho:

“Não haverá perdão. Quem for flagrado ou denunciado por estar caçando Pokemons será sumariamente expulso da congregação. A bíblia nos pede para anunciar o evangelho, não para caçar demônios travestidos de Pokemons. Recentemnete uma de nossas ovelhas foi expulsa por ter feito uso do aplicativo Whatsapp de maneira indevida. Naquela oportunidade ela expôs a nudez de seu corpo para homens endemoniados, agora nossos jovens estão querendo expor suas almas para demônios de bolso. Aqui em minha Igreja não! Quer relativismo moral procure a Igreja Católica. Aqui não!”

Folha do Brasil

ComentáriosComentários