JPMotos
Camilo determina força-tarefa; 3 suspeitos presos e um morto
24 de agosto de 2018 às 10:31
144
Visualizações

O triplo homicídio contra policiais militares fez com que o governador Camilo Santana determinasse uma força-tarefa imediata e suspendesse sua agenda de campanha para reeleição. Horas após a ocorrência na Vila Manuel Sátiro, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) divulgou, na noite de ontem, que três suspeitos foram presos e um morto.

A decisão do chefe do Executivo Estadual prevê que o secretário de Segurança Pública, André Costa, conte com reforço de efetivo e apoio de helicópteros para dar continuidade às capturas. Conforme declaração de Camilo Santana, ele garante que o Estado não tolera esse tipo de ação.

“Logo após esse episódio, covarde e cruel, determinei imediatamente ao secretário de Segurança uma força-tarefa, com reforço de efetivo e apoio de helicópteros, para identificar e prender cada um dos criminosos. Posso garantir que cada um desses bandidos será preso o mais rápido possível. Não iremos tolerar jamais esse tipo de ação. Seremos cada vez mais duros com o crime”, enfatizou o governador.

De acordo com a SSPDS, um dos três suspeitos detidos foi baleado durante a diligência, ao ter resistido à prisão. O homem, de identidade não revelada, foi levado a uma unidade hospitalar. O estado de saúde dele não foi revelado pela Pasta.

Um quarto suspeito reagiu a abordagem policial, foi atingido por disparos e não resistiu aos ferimentos. A reportagem apurou que o tiroteio entre criminosos e Polícia aconteceu no bairro Novo Mondubim, próximo de onde os três PMs foram mortos.

Perseguição

Cerca de uma hora após os homicídios, policiais rodoviários estaduais localizaram o veículo utilizado na fuga e receberam informações que parte dos envolvidos havia se escondido em uma residência localizada na Comunidade Vertical.

Moradores informaram que, quando os criminosos perceberam a presença da Polícia no local, deram início a uma troca de tiros. Um dos suspeitos foi ferido nesta ação e o restante fugiu pulando pelos telhados das casas.

“Foi muito tiro. Fiquei dentro de casa e me escondi. Não deu para ver ninguém saindo escoltado. A gente teve muito medo de algum desses bandidos invadir nossa casa”, disse uma moradora, que não quis se identificar.

Os presos foram encaminhados ainda ontem para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e iriam passar por exames na sede da Perícia Forense do Ceará (Pefoce). O titular da SSPDS, André Costa, esteve na sede do DHPP acompanhando os interrogatórios dos suspeitos, mas não concedeu entrevista à imprensa.

A Secretaria de Segurança ressaltou que a população pode ajudar os trabalhos da Polícia com informações que auxiliem na investigação. O denunciante deve entrar em contato pelo número 181 ou 190. A Pasta acrescentou que o sigilo das denúncias ofertadas é garantido.

Luto oficial

O Comando Geral da Polícia Militar do Ceará (PMCE) decretou luto oficial de três dias na Corporação, em razão da morte dos três policiais. A nota divulgada pelo Comando Geral da PM lamenta ainda o crime e se solidariza com as famílias das vítimas.

“Às famílias enlutadas, apresentamos nossos sentimentos de solidariedade e respeito pela imensa dor que, com certeza, invade a alma e dilacera nossos corações. Que os nossos irmãos de farda não sejam jamais esquecidos por todos nós, que continuamos na labuta diária por uma segurança cada vez melhor”, afirma o comunicado.

O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) também divulgou nota de pesar: “O MPCE se solidariza com os familiares e amigos dos policiais militares José Augusto de Lima, Antonio Cezar Oliveira Gomes e Sanderley Cavalcante Sampaio”.

O órgão acrescentou que a Procuradoria Geral de Justiça “adotará todas as providências possíveis para auxiliar as investigações e levar a julgamento os responsáveis por esse bárbaro crime, que possui elevados indícios de atentado contra o Estado de Direito e seus agentes”.

O Sindicato dos Policiais Civis de Carreira do Ceará (Sinpol/CE) também se manifestou: “A diretoria do Sinpol convoca a categoria para se fazer presente no velório e no enterro, para dar apoio às famílias dos guerreiros. O Sinpol ressalta que a Polícia Civil e a Polícia Militar são uma única família e espera que as forças de segurança, coordenadas pela Secretaria de Segurança, deem uma resposta imediata e firme a esse ataque covarde contra os nossos irmãos da PM”.

Fonte: Diário do Nordeste

ComentáriosComentários