JPMotos
Homem de Várzea da Ema, distrito de Santa Helena é preso suspeito pedir um empréstimo de R$ 100 mil, com documentos falsos
25 de outubro de 2018 às 08:51
95
Visualizações

Um homem  identificado como Tadeu Veríssimo da Silva, 30 anos,  que é da região de Várzea da Ema  distrito de Santa Helena no sertão da  Paraíba, foi preso pela Polícia Civil (PC), na tarde desta terça-feira (23), em uma agência bancária que funciona no Mercado de Artesanato, na Avenida Rui Carneiro, em João Pessoa. Ele tentou fazer um empréstimo no valor de R$ 100 mil usando documentação falsa. Acusado de praticar os crimes de falsidade ideológica e estelionato, a prisão foi realizada pela Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF) de João Pessoa.

De acordo com os funcionários do banco, Tadeu entrou na agência e foi até o setor de abertura de contas, informando que era médico e apresentando um documento de identidade (RG) emitido na cidade de Iporá, no estado de Goiás. No documento, ele apresentava o nome de Murillo Gonçalves Santos, 28 anos. Além disso, Tadeu também entregou ao funcionário uma conta com o mesmo nome e um recibo de Imposto de Renda com um rendimento tributário de R$ 50,4 mil.

“Tadeu solicitou um empréstimo de R$ 100 mil ao banco, mas o funcionário desconfiou que pudesse haver alguma coisa errada com os documentos apresentados e entrou em contato com a Delegacia de Defraudações e Falsificações. Enquanto a nossa equipe se deslocava para o local, Tadeu foi informado que estava sendo realizada a análise do crédito. Quando chegamos na agência, encontramos o suspeito sentado e com os documentos falsos. Ele foi preso em flagrante”, disse o delegado da DDF, Lucas Sá.

Depois de um levantamento, Lucas Sá descobriu que os documentos que o investigado estava usando pertencem a um médico que mora em São Paulo. Esta não é a primeira vez que Tadeu é flagrado com documentos falsos.

Em 2015, ele foi preso no município de Pombal pela prática deste crime.

Depois de ser ouvido, Tadeu foi encaminhado para o Instituto de Polícia Científica (IPC) para fazer o exame de corpo delito e depois foi recolhido na carceragem, onde aguardará pela audiência de custódia.

G1 com complemento do blog do Ângelo Lima

ComentáriosComentários