JPMotos
Mortes de advogados em Caucaia podem ter sido ordenadas por chefes de facções em guerra no Ceará
18 de julho de 2018 às 11:18
111
Visualizações

Advogado caucaia 2 Erivaldo 8

Advogado Renato Jorge Filho foi morto ontem. Erivaldo Rodrigues, assassinado há duas semanas 

Um mistério envolve a morte de mais um advogado na cidade de Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). Áudios postados em um grupo de advogados em um aplicativo de celular revelam diálogos travados na noite passada entre profissionais da área em que estes questionam o que teria motivado os assassinatos. Surge, então, a citação de que os advogados podem ter sido mortos por terem “traído” as facções, defendendo na Justiça criminosos integrantes de facções rivais,

Este foi o segundo crime vitimando profissionais do Direito naquele Município em duas semanas. O corpo do advogado criminalista Renato Jorge Rocha Bezerra foi encontrado com marcas de tiros e provável tortura, pois estava algemado. A Polícia supõe que antes de ser morto, o advogado tenha sido seqüestrado.

O corpo do advogado foi encontrado no bairro Parque Soledade. Ele estava manietado, com as mãos para trás, com algemas plásticas descartáveis. Tiros foram disparados à queima-roupa contra a vítima. A princípio, a hipótese de um latrocínio (roubo seguido de morte) está descartada. Nada teria sido roubado do advogado.

Há duas semanas, outro advogado que também atuava na área Criminal na mesma cidade foi morto. Tratava-se de Erivaldo Rodrigues, que também era ex-vereador daquele município e policial civil aposentado. Rodrigues foi assassinado, a tiros, dentro do seu escritório, a pouco metros do Fórum da cidade.

Os crimes estão sendo investigados em conjunto pela Delegacia Metropolitana de Caucaia (DMC) e Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Pistas

No diálogo entre os advogados, um deles questiona ter ouvido boatos e recebido a ligação de um cliente que, supostamente, seria de uma facção, perguntando sobre o assassinato de ontem.

Na conversa terá sido revelado que uma facção não aceita que o advogado que esteja trabalhando na defesa de um integrante seu seja, ao mesmo tempo, defensor de bandidos da facção rival. Essa rixa envolveria as facções Comando Vermelho (CV) e Guardiões do Estado (GDE).

As autoridades da Segurança Pública e representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (Secção Ceará), ainda não se manifestaram sobre o caso.

Com Informação Fernando Ribeiro

ComentáriosComentários