JPMotos
Sem armas para trabalhar, 646 novos policiais civis do Ceará ficarão em casa recebendo salário do estado
20 de julho de 2018 às 12:14
29
Visualizações

formatura oficio 7

A ordem para que os policiais fiquem à disposição (sem atividade) foi formalizada em ofício

Formatura 2

A formatura dos novos escrivães e inspetores ocorreu há um mês e eles ainda estão sem armas

Uma grave denúncia circula nas redes sociais envolvendo novamente o setor da Segurança Pública do Estado do Ceará. Por falta de armas, cerca de 560 policiais civis (inspetores e escrivães) recém-empossados pelo governador Camilo Santana (PT) estão impedido de exercer suas atividades de rua. Ser armas para sua defesa pessoal e para enfrentar a bandidagem, os policiais foram orientados pela direção da instituição a permanecerem em casa até que as armas sejam compradas. Até lá, receberão salários sem trabalhar.

A ordem para que os novos policiais fiquem apenas “à disposição” de seus respectivos departamentos foi assinada pelo delegado-geral da Polícia Civil do Ceará, Everardo Lima, que seguiu determinação do secretário da Segurança, delegado André Costa, e este, do governador Camilo Santana.

O ofício de Everado Lima, de número 754/2018-GDGPC, foi reproduzido pelos diretores dos departamentos de Polícia do Interior/DPI (Norte e Sul), de Polícia Metropolitana (DPM) e de Polícia Especializada (DPE). A ordem é para “os novos policiais civis, recém-empossados, exercerão suas atividades, em delegacias, somente após o recebimento do devido armamento”, ressalta o documento.

Ociosos

Desse modo, 372 novos inspetores e 188 escrivães ficarão em casa recebendo salários do estado sem trabalhar. O documento não se refere aos novos 86 delegados que também foram empossados no cargo no último dia 20 de junho.

Enquanto o estado paga salários para um efetivo policial que não pode trabalhar por falta de armamento, as delegacias de Polícia da Capital e da Região Metropolitana, além dos departamentos e divisões, acumulam milhares de inquéritos policiais que apuram crimes de toda a ordem, principalmente, casos de furtos, roubos e assassinatos. Entre os dias 1º de janeiro e 19 de julho, o Ceará já registrou 2.779 homicídios, latrocínios e lesões corporais que resultaram em óbito, os chamados Crimes Violentos, Letais e Intencionais (CVLIs).

Com Informação Fernando Ribeiro

ComentáriosComentários