JPMotos
Ciro apoia Camilo, mas procura outro senador
14 de agosto de 2018 às 12:10
41
Visualizações

13 DE AGOSTO DE 2018 – CANDIDATO ¡ PRESIDENTE DA REPUBLICA CIRO FERREIRA GOMES VISITA CONJUNTO EM OBRAS NO BAIRRO VICENTE PINZON. NA FOTO CANDIDATO CIRO GOMES CONVERSA COM OPERARIA DA OBRA.
– POLITICA – 14po0802 – NATINHO RODRIGUES

Ciro Gomes, candidato do PDT à Presidência da República, passou o dia de ontem em Fortaleza, cumprindo agenda de campanha e encontros reservados com o núcleo central do seu grupo cearense. Ele espera que o governador Camilo Santana (PT) escolha o melhor candidato a presidente para o Brasil e o Ceará, especialmente, mas tem certeza que, qualquer que seja a decisão do governador, o cearense vai votar nele para presidente.

Sobre a disputa para o Senado, Ciro disse que vota no irmão, Cid, e está procurando outro candidato para ter o seu voto. Em nenhum momento ele falou em Eunício Oliveira (MDB), a quem já fez várias acusações, mesmo sendo o segundo nome para a disputa ao Senado da preferência do governador Camilo.

Ciro, logo pela manhã, acompanhado do prefeito Roberto Cláudio (PDT), visitou o canteiro de obras do Residencial Alto da Paz, no Bairro Vicente Pinzón, na Capital cearense. Ele ainda não tem sua programação de campanha no Ceará, até o dia da eleição, mas começou a tratar desse assunto ontem mesmo com correligionários. Oficialmente, não constava da sua agenda encontro com o governador Camilo Santana, mas já está certo de que estará de volta ao Ceará, sábado próximo, para prestigiar o lançamento da candidatura à reeleição do deputado André Figueiredo, presidente estadual do PDT.

Ele afirmou que vai pedir voto para o governador, pois, em sua avaliação, “é o melhor para o Ceará. Tem decência, compromisso popular, tem plano”. Salientou ainda que Camilo deve defender aquilo que ele acreditar ser o melhor. “Vamos deixar o Camilo, que é o governador, e tem o meu apoio, que, serenamente, veja o que é melhor para ele, para o Brasil, para o Ceará. E eu tenho certeza que o povo do Ceará vai entender, qualquer que seja a atitude que o Camilo tomar, e vai votar em mim”, afirmou o candidato.

Outro nome

Ciro Gomes também descartou, mais uma vez, qualquer possibilidade de voto no senador Eunício Oliveira (MDB), destacando que está em busca de outro nome para apoiar ao Senado Federal, além de Cid Gomes. Quando perguntado sobre apoio às postulações de senadores no Estado, o presidenciável foi taxativo. “Eu já tenho um senador seguro, que é o Cid Gomes. O outro vou procurar”.

Ciro reconhece a dificuldade de Camilo com a Segurança. Ele “está apanhando na Segurança Pública”, disse, prometendo, se for eleito presidente, assumir para o Governo Federal esse problema que é nacional. “Organizaram essas facções criminosas em São Paulo e no Rio de Janeiro, e lá fizeram acordo. Aqui, ele (Camilo) está sofrendo porque não fez acordo, porque não fazemos acordos com bandidos”, disse.

Ainda segundo Ciro, narcotráfico e contrabando de armas são ações criminosas impossíveis de um governador resolver. “Quem vai resolver sou eu, vou tirar esses bandidos das facções e colocar em celas solitárias, proibidos de se comunicar. Porque é assim que se corta a cabeça do crime organizado”, defendeu.

Generosidade

Questionado sobre o papel do Ceará em sua campanha, visto que das outras duas vezes em que disputou a Presidência da República venceu no Estado, o presidenciável disse que “no dia em que eu não tiver mais o respeito e o carinho do povo do Ceará, nesse dia vou me considerar dispensado da política”, admitindo que terá uma boa votação pela generosidade dos cearenses com o seu desempenho político, ao longo das últimas décadas.

Sobre a possibilidade de um candidato do PT e o postulante Jair Bolsonaro receberem expressivos apoios no Ceará, Ciro disse apenas que “é muito natural que nosso povo, no começo do debate, manifeste simpatias, mas, no fim, tenho certeza: vão me ajudar a mudar o Brasil”.

O pedetista ressaltou também que, apesar de defender candidaturas do Partido dos Trabalhadores (PT) aos governos dos estados do Ceará, Bahia e Piauí, a sigla petista o transformou em seu principal adversário no pleito deste ano. Quando perguntado sobre as alianças informais que vêm tentando costurar em diversos estados, inclusive com integrantes do MDB, ele afirmou que, atualmente, tem base em, praticamente, todas as unidades federativas do Brasil.

O presidenciável cearense fez questão de destacar uma “coincidência curiosa”: nos únicos estados em que não têm estrutura, Bahia e Piauí, resolveu apoiar candidaturas petistas. No caso do Piauí, com a postulação à reeleição do governador Wellington Dias, e na Bahia, a de Rui Costa, ambos do PT. “Hoje, eu tenho base em todos os estados brasileiros. Coincidência curiosa é que nos únicos dois estados em que eu não tenho estrutura, Bahia e Piauí, é onde resolvi apoiar o PT”, mencionou.

Bullying

Segundo disse o presidenciável, no Ceará é diferente, uma vez que o governador Camilo Santana, também do PT, faz parte de seu grupo político. “Aqui a base é minha, aqui é meu povo. Mas nos lugares em que não tenho estrutura de alianças, resolvi apoiar o PT, que me transforma no seu principal adversário”. Apesar das críticas feitas ao PT e aos seus adversários, o pedetista disse que não estava se queixando, mas queria apresentar ao povo brasileiro uma alternativa.

Ele afirma estar sofrendo “bullying” de seus adversários, alguns “por não terem estudado” e outros “por estarem sustentando o Governo Temer e falando em mudanças”. “Ficou claro que eu vou sofrer ‘bullying’ a campanha toda. Os meus adversários parecem ter medo de perguntar algo para mim, porque alguns não estudaram e outros não têm como explicar as contradições de estarem sustentando o Governo Temer e falando em mudança”, disse.

Segundo ele, o Brasil tem, atualmente, 13,7 milhões de desempregados, 32 milhões de brasileiros “vivendo de bico” e outros 63 milhões com nome sujo no SPC. “O Governo precisa atender a agenda desse povo, virar o jogo do desemprego, da informalidade. Só assim vamos enfrentar a violência, só assim vamos educar com decência o filho do trabalhador”, defendeu.

Diariodonordeste

ComentáriosComentários