JPMotos
Gasto de R$ 718 mil com pneus chama atenção e vereadores pedem cassação do prefeito de Altaneira
29 de junho de 2018 às 10:22
25
Visualizações

A Câmara Municipal de Altaneira votou, nesta quarta (27), pela abertura de processo de cassação do prefeito Dariomar Rodrigues (PT) por “práticas de infrações político-administrativas”. Foram 8 votos a favor e 1 contra. A denúncia foi apresentada pelo Advogado Raimundo Soares Filho.

No documento há uma série de despesas consideradas irregulares, todas realizadas em 2017, foram apontadas as empresas beneficiadas e um comparativo que indicou aumento das mesmas contas em relação a 2016.

São cinco as despesas relacionadas com a prestação de serviços de limpeza urbana, locação de veículos, fornecimento de peças e serviços mecânicos, aquisição de pneus e serviços jurídicos em instâncias superiores.

Valores
Com locações de veículos cerca de R$ 1 milhão, e com serviços mecânicos, cerca de R$ 500 mil. De acordo com a denúncia, Altaneira gastou R$ 718.370,96 na compra de pneus em 2017. No ano anterior, a despesa com a mesma compra custou R$ 57.632,00.

Comissão
A Comissão Processante foi constituída pelos vereadores Professor Adeilton, Flavio Correia e pela vereadora Silvania Andrade. A Comissão processante tem o prazo de 120 dias para conclusão dos trabalhos, após este prazo, o pedido de cassação do prefeito será votado pelo Plenário da Casa.

Prefeito
Dariomar Rodrigues assistiu à sessão, acompanhado de quase todos os secretários e vários servidores comissionados de sua gestão.Ao repórter local João Alves, disse estar tranquilo e chamou de covardia a abertura do processo de cassação.

Votaram contra o prefeito: Alice Gonçalves (PRB); Cier Bastos (PDT) Flavio Correia (Solidariedade); Devaldo Nogueira (MDB); Professor Adeilton (PSD); Valmir Brasil (PDT) e Zuleide Ferreira (PSDB)
À favor de Dariomar e contra o pedido de cassação votou a vereadora Silvania Andrade (PT).

As informações foram cedidas pelo Blog de Altaneira

 

Com Parceria Site Miséria.com.br
Por Felipe Azevedo/ Agência Miséria

ComentáriosComentários