JPMotos
O que é o golpe das cores do WhatsApp e como evitá-lo
23 de maio de 2017 às 06:46

Você quer trocar a cor do WhatsApp em seu celular? Pense duas vezes antes de aceitar um convite suspeito.

Uma nova fraude que promete personalizar a cor do popular aplicativo de mensagens está circulando por celulares do mundo inteiro.

Trata-se de um página na internet com o logo e a aparência do WhatsApp, mas em azul em vez de verde, além de um nome muito parecido: шһатѕарр.com.

A URL falsa usa caracteres do alfabeto cirílico (“ш”e “т”) para se passar pelo original e convida usuários de dispositivos iOS, Android, Blackberry e Windows Phone a trocar a cor do WhatsApp.

A instalação, no entanto, faz proliferar um vírus que enche o aparelho de anúncios publicitários.

Como funciona e como evitar a fraude

A URL enganosa já aperece em espanhol e usa o mesmo nome do WhatsApp, mas com caracteres cirílicos (e não começa com A URL enganosa já aperece em espanhol e usa o mesmo nome do WhatsApp, mas com caracteres cirílicos (e não começa com

A URL enganosa já aperece em espanhol e usa o mesmo nome do WhatsApp, mas com caracteres cirílicos (e não começa com “https”) (Foto: Reprodução)

O golpe funciona da seguinte maneira: Primeiro, pede-se que o usuário encaminhe a URL enganosa a 12 de seus contatos ou a sete de seus grupos de WhatsApp.

Em seguida, deve-se ativar um link. Pouco depois, aparece uma mensagem: as novas cores do WhatsApp estão disponíveis apenas no aplicativo de desktop.

Então, o usuário tem que instalar uma extensão do Google Chrome, cujo nome é “BlackWhats”.

Pede-se para fazer o download de uma extensão fraudulenta: BlackWhats. (Foto: Reprodução)Pede-se para fazer o download de uma extensão fraudulenta: BlackWhats. (Foto: Reprodução)

Pede-se para fazer o download de uma extensão fraudulenta: BlackWhats. (Foto: Reprodução)

A página web é uma plataforma adware, ou seja, um software malicioso que mostra avisos publicitários em seu navegador.

Uma imagem de alerta já aparece no momento da instalação.

Imagem de alerta diz que página pode ser perigosa (Foto: Reprodução)Imagem de alerta diz que página pode ser perigosa (Foto: Reprodução)

Imagem de alerta diz que página pode ser perigosa (Foto: Reprodução)

Esse tipo de golpe é conhecido como phishing e tem como objetivo acessar dados pessoais do usuário contidos em seu telefone ou conta de e-mail.

Por isso, não é recomendável clicar em sites pouco confiáveis ou fazer o download de extensões desconhecidas.

Como evitar cair em fraudes do tipo:

  • Confirme o endereço web: o fato de um endereço terminar em .org não garante que ela seja oficial. Analise o endereço com cuidado e cheque todos os caracteres.
  • https x http: mesmo que nem sempre seja uma garantia, note se aparece no início do endereço o protocolo https, a versão segura do http.
  • Não faça download de extensões suspeitas: pergunte-se se você realmente precisa instalar a extensão e por que ela é necessária.
  • Revise a gramática: os erros de ortografia são habituais nesse tipo de golpe.
  • Desconfie se o convite obriga a compartilhá-lo com seus contatos: costuma ser uma estratégia comum para distribuir o vírus adware.

Mas quem está por trás da fraude?

Não há nomes vinculados ao registro do шһатѕарр.com, mas há um endereço no Arizona, nos EUA, segundo o WHOIS, a base de dados que permite identificar o proprietário de um domínio de endereço IP na internet, explica o veículo “International Business Times”.

Esta não é a primeira vez que os usuários do WhatsApp são vítimas de golpes.

Algumas ações fraudulentas tentam convidar usuários para assinaturas gratuitas do Netflix ou a ganhar dinheiro muito facilmente.

O WhatsApp sugere em seu site que se evite clicar em aplicativos que pedem para reenviar a mensagem ou que prometem ganhos financeiros.

“Sempre advertimos ao remetente: ignore e apague a mensagem”, diz a empresa.

 G1

225 total views, 1 views today

ComentáriosComentários