JPMotos
Polícia investiga grupos no Facebook suspeitos de incitar suicídio de jovens no Brasil
22 de maio de 2018 às 10:12
45
Visualizações

A morte trágica de um adolescente de 15 anos, que morava em Goiás e se enforcou em fevereiro deste ano, deu o alerta para a Polícia Civil do Estado sobre a atuação de um grupo online de incentivo ao suicídio nas redes sociais. Outras mortes de adolescentes, que teriam sido encorajadas pelos mesmos perfis online, também são investigadas. De acordo com os investigadores, os casos estariam relacionados a dois grupos de Facebook cujos nomes, por questões de segurança, a BBC Brasil optou por omitir.

Uma das páginas foi retirada do ar, a outra continua ativa, apesar de já ter sido temporariamente removida após denúncias. Ambas são apontadas como responsáveis por incentivar jovens a atentar contra a própria vida. Induzimento ao suicídio é crime previsto pelo Código Penal brasileiro: quando o resultado da indução é a morte de alguém, o acusado pode pegar até 6 anos de prisão.

Publicidade

De acordo com as investigações, as duas páginas de Facebook possuem o mesmo administrador, um perfil supostamente pertencente a um brasileiro. Juntas, chegaram a somar mais de 43 mil membros. A primeira, que segue ativa, possui, atualmente, 25,6 mil membros.

Os líderes dos grupos que incentivam suicídios se apresentam como adolescentes de diversos Estados, entre eles São Paulo, Mato Grosso, Rondônia e Amazonas. Há também administradores em outras regiões do Brasil, que não foram reveladas pela polícia.

Por meio de desafios, cuja missão final é atentar contra a própria vida, participantes dos grupos teriam sido induzidos ao sucídio.

As tarefas são repassadas aos adolescentes por meio de grupos de WhatsApp, para os quais são convidados os participantes dos grupos de Facebook que se interessam pelos desafios. “Nesta segunda fase, somente aqueles que recebem um link de convite podem entrar. É mais complicado termos informações sobre esses grupos, porque são fechados”, afirma a delegada Sabrina Leles, da Delegacia Estadual de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DERCC) de Goiás.

Entre os desafios estão: invasão a redes sociais e computadores de terceiros, disseminação de fake news e automutilação.

“Os grupos dizem que o objetivo deles é fazer piada, contar histórias e apoiar uns aos outros. No entanto, temos provas que mostram que o objetivo é criminoso”, diz a delegada.

O jogo

Os desafios têm início quando os jovens são chamados para participar dos jogos. Na maioria dos casos, os convites são feitos por meio de mensagens privadas no Facebook, motivadas pela participação em páginas pertencentes aos grupos na rede social. Os responsáveis por convidar os adolescentes são os moderadores ou administradores dos grupos, que têm a missão de atrair o maior número possível de jovens.

Segundo a Polícia Civil, os grupos investigados têm como figura mais importante o curador, cujo nome não será divulgado pela BBC Brasil. Abaixo dele estão os administradores e depois os moderadores. Cada um possui funções no jogo, que variam da cooptação de jovens à invasão de computadores.

Um adolescente que participou do grupo relatou à Polícia Civil que os organizadores se tornam íntimos dos participantes, perguntam sobre questões familiares e relacionamentos amorosos.

“Eles pegam nos pontos fracos dos participantes. Dizem que a família não os ama e que os amigos não gostam deles. Depois de um tempo, começam a incutir a ideia de que ninguém gosta do adolescente de verdade e, por isso, seria melhor ele acabar com o sofrimento e se matar, porque todo mundo morre no final. Aconselham o adolescente a ´adiantar o processo´”, relata Leles.

Antes de aceitar participar dos desafios, os jovens são informados de que a última fase é o suicídio. Três adolescentes, que participaram do jogo, confirmaram à polícia que sabiam da etapa na qual teriam que atentar contra a própria vida. Um deles disse ter tentado se matar duas vezes, para cumprir a fase final, porém foi socorrido por parentes.

O fato de o jovem conhecer as etapas do jogo antes de iniciá-lo é a principal diferença entre os desafios e o jogo virtual Baleia Azul – que também estimula adolescentes a tirar a própria vida -, diz a Polícia Civil. “No Baleia Azul, o curador se apossava de informações da vida íntima do adolescente. O jovem era obrigado a participar, mediante ameaça de que seria punido caso não concluísse os desafios. Nos grupos atuais, os adolescentes participam porque, em tese, querem”, pontua a delegada.

Professora de Psiquiatria da infância e adolescência da Faculdade de Medicina da USP, Sandra Scivoletto afirma que o adolescente que participa desse tipo de desafios possui, geralmente, algumas dificuldades em relação a si mesmo e a seu círculo social, como insegurança e problemas de autoimagem.

“Eles aceitam esses desafios para fortalecer a autoestima. Não podemos dizer, pois ainda faltam estudos, que haja uma pré-disposição ao suicídio. Mas podemos afirmar que a participação nesses desafios envolve adolescentes com problemas anteriores na vida real, não apenas no mundo virtual”, diz.

Os desafios

Logo que aceitam entrar no jogo, os participantes são colocados em um grupo de WhatsApp. Nele, os administradores ou moderadores distribuem os desafios. Uma das tarefas é a invasão de computadores. A prática ocorre por meio de um vírus, vendido pelos administradores, com o qual seriam capazes de invadir sistemas e perfis em redes sociais.

Entre as missões também estão apagar perfis de Facebook, indicados pelos administradores; implantar fake news, por meio de perfis invadidos; buscar novos membros para os desafios e participar de ataques a páginas nas redes.

Os ataques funcionam por meio de comentários ofensivos em páginas de conhecidos do participante ou a perfis de famosos. Eles costumam reunir diversos membros dos grupos investigados e não se restringem àqueles que estariam participando dos desafios.

Capa
Notícias
Brasil

Brasil
Polícia investiga grupos no Facebook suspeitos de incitar suicídio de jovens no Brasil
Polícia Civil de Goiás apura se integrantes de grupo de redes sociais com mais de 40 mil usuários têm relação com morte de adolescentes.
BBC BRASIL.com
22 mai 2018
05h12
atualizado às 06h06

separator
2
comentários

A morte trágica de um adolescente de 15 anos, que morava em Goiás e se enforcou em fevereiro deste ano, deu o alerta para a Polícia Civil do Estado sobre a atuação de um grupo online de incentivo ao suicídio nas redes sociais. Outras mortes de adolescentes, que teriam sido encorajadas pelos mesmos perfis online, também são investigadas. De acordo com os investigadores, os casos estariam relacionados a dois grupos de Facebook cujos nomes, por questões de segurança, a BBC Brasil optou por omitir.
A Polícia Civil investiga relação entre grupos de redes sociais e suicídios de adolescentes
A Polícia Civil investiga relação entre grupos de redes sociais e suicídios de adolescentes
Foto: Getty Images / BBCBrasil.com

Uma das páginas foi retirada do ar, a outra continua ativa, apesar de já ter sido temporariamente removida após denúncias. Ambas são apontadas como responsáveis por incentivar jovens a atentar contra a própria vida. Induzimento ao suicídio é crime previsto pelo Código Penal brasileiro: quando o resultado da indução é a morte de alguém, o acusado pode pegar até 6 anos de prisão.

Publicidade

De acordo com as investigações, as duas páginas de Facebook possuem o mesmo administrador, um perfil supostamente pertencente a um brasileiro. Juntas, chegaram a somar mais de 43 mil membros. A primeira, que segue ativa, possui, atualmente, 25,6 mil membros.

Os líderes dos grupos que incentivam suicídios se apresentam como adolescentes de diversos Estados, entre eles São Paulo, Mato Grosso, Rondônia e Amazonas. Há também administradores em outras regiões do Brasil, que não foram reveladas pela polícia.

Por meio de desafios, cuja missão final é atentar contra a própria vida, participantes dos grupos teriam sido induzidos ao sucídio.

As tarefas são repassadas aos adolescentes por meio de grupos de WhatsApp, para os quais são convidados os participantes dos grupos de Facebook que se interessam pelos desafios. “Nesta segunda fase, somente aqueles que recebem um link de convite podem entrar. É mais complicado termos informações sobre esses grupos, porque são fechados”, afirma a delegada Sabrina Leles, da Delegacia Estadual de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DERCC) de Goiás.

Entre os desafios estão: invasão a redes sociais e computadores de terceiros, disseminação de fake news e automutilação.

“Os grupos dizem que o objetivo deles é fazer piada, contar histórias e apoiar uns aos outros. No entanto, temos provas que mostram que o objetivo é criminoso”, diz a delegada.
Grupo de rede social é apontado como responsável por incentivar suicídios de adolescentes, conforme Polícia Civil
Grupo de rede social é apontado como responsável por incentivar suicídios de adolescentes, conforme Polícia Civil
Foto: Divulgação / BBCBrasil.com
O jogo

Os desafios têm início quando os jovens são chamados para participar dos jogos. Na maioria dos casos, os convites são feitos por meio de mensagens privadas no Facebook, motivadas pela participação em páginas pertencentes aos grupos na rede social. Os responsáveis por convidar os adolescentes são os moderadores ou administradores dos grupos, que têm a missão de atrair o maior número possível de jovens.

Segundo a Polícia Civil, os grupos investigados têm como figura mais importante o curador, cujo nome não será divulgado pela BBC Brasil. Abaixo dele estão os administradores e depois os moderadores. Cada um possui funções no jogo, que variam da cooptação de jovens à invasão de computadores.

Um adolescente que participou do grupo relatou à Polícia Civil que os organizadores se tornam íntimos dos participantes, perguntam sobre questões familiares e relacionamentos amorosos.

“Eles pegam nos pontos fracos dos participantes. Dizem que a família não os ama e que os amigos não gostam deles. Depois de um tempo, começam a incutir a ideia de que ninguém gosta do adolescente de verdade e, por isso, seria melhor ele acabar com o sofrimento e se matar, porque todo mundo morre no final. Aconselham o adolescente a ´adiantar o processo´”, relata Leles.

Antes de aceitar participar dos desafios, os jovens são informados de que a última fase é o suicídio. Três adolescentes, que participaram do jogo, confirmaram à polícia que sabiam da etapa na qual teriam que atentar contra a própria vida. Um deles disse ter tentado se matar duas vezes, para cumprir a fase final, porém foi socorrido por parentes.

O fato de o jovem conhecer as etapas do jogo antes de iniciá-lo é a principal diferença entre os desafios e o jogo virtual Baleia Azul – que também estimula adolescentes a tirar a própria vida -, diz a Polícia Civil. “No Baleia Azul, o curador se apossava de informações da vida íntima do adolescente. O jovem era obrigado a participar, mediante ameaça de que seria punido caso não concluísse os desafios. Nos grupos atuais, os adolescentes participam porque, em tese, querem”, pontua a delegada.

Professora de Psiquiatria da infância e adolescência da Faculdade de Medicina da USP, Sandra Scivoletto afirma que o adolescente que participa desse tipo de desafios possui, geralmente, algumas dificuldades em relação a si mesmo e a seu círculo social, como insegurança e problemas de autoimagem.

“Eles aceitam esses desafios para fortalecer a autoestima. Não podemos dizer, pois ainda faltam estudos, que haja uma pré-disposição ao suicídio. Mas podemos afirmar que a participação nesses desafios envolve adolescentes com problemas anteriores na vida real, não apenas no mundo virtual”, diz.
Os desafios

Logo que aceitam entrar no jogo, os participantes são colocados em um grupo de WhatsApp. Nele, os administradores ou moderadores distribuem os desafios. Uma das tarefas é a invasão de computadores. A prática ocorre por meio de um vírus, vendido pelos administradores, com o qual seriam capazes de invadir sistemas e perfis em redes sociais.

Entre as missões também estão apagar perfis de Facebook, indicados pelos administradores; implantar fake news, por meio de perfis invadidos; buscar novos membros para os desafios e participar de ataques a páginas nas redes.

Os ataques funcionam por meio de comentários ofensivos em páginas de conhecidos do participante ou a perfis de famosos. Eles costumam reunir diversos membros dos grupos investigados e não se restringem àqueles que estariam participando dos desafios.
Conversas em aplicativos estão entre itens utilizados pela polícia para investigar grupo de estímulo ao suicídio
Conversas em aplicativos estão entre itens utilizados pela polícia para investigar grupo de estímulo ao suicídio
Foto: Reprodução / BBCBrasil.com

Outro desafio proposto pelos líderes do grupo é a automutilação. O participante deve cortar parte do próprio corpo e enviar imagens do sangramento. À Polícia Civil, a ex-namorada do adolescente que se suicidou em Goiás disse que o jovem tinha passado a se cortar pouco antes de cometer suicídio. Duas semanas antes da morte do rapaz, os pais notaram os cortes em seu braço. “Ele disse que tinha se machucado em nossa chácara. Como não tínhamos motivo para pensar que ele estivesse mentindo, acreditamos”, relata o gerente comercial Onilton Pires, pai do adolescente.

Cada etapa cumprida pelo participante representa mais prestígio entre os administradores. “Eles vão se tornando importantes na hierarquia desse grupo”, diz a delegada.

A fase do suicídio é considerada, para o grupo, o ápice do desafio. “Os administradores orientam passo a passo como obter coragem” para o ato, diz a delegada.

As investigações

A descoberta sobre os grupos de incentivo ao suicídio se deu após Onilton Pires relatar à Polícia Civil um fato que causou estranheza no velório de seu filho: diversos adolescentes desconhecidos acompanharam a cerimônia e fizeram fotos no local. Alheios ao luto da família, eles não demonstravam tristeza. Conforme as investigações da Polícia Civil, o objetivo deles era mostrar aos administradores do jogo que o jovem realmente havia se suicidado.

Outro fato que também despertou desconfiança na polícia foi o suicídio de Júlio (nome fictício), de 13 anos, também em Goiás, no mesmo dia em que o filho de Onilton se matou. O garoto se jogou do 26º andar do prédio da avó. A família dele também procurou a Polícia Civil. Porém, as investigações comprovaram que Júlio não participava dos desafios. “Ele tinha amplo acesso à internet e havia manifestado vontade de se matar, mas não participava dos grupos”, conta a delegada Sabrina Leles.

Em relação ao filho de Onilton Pires, a Polícia Civil assegura que ficou comprovada a participação do jovem nos grupos e que eles efetivamente incentivaram seu suicídio. Para tal constatação, as investigações analisaram o computador do adolescente. O aparelho havia sido formatado por ele antes de morrer e todos os dados foram apagados. O fato chamou a atenção dos pais do jovem, que disseram que ele não costumava excluir as informações do computador.

Alguns itens foram recuperados pela Polícia Civil, entre eles uma carta de despedida do jovem. “Em um trecho, ele dizia que não era para os pais se preocuparem, porque ele não havia participado de nenhum jogo de internet. Isso causou estranheza, porque a família disse que nunca o questionou sobre esse assunto. Era aquela coisa da psicologia invertida: ´vou dizer que não participo, para eles não pensarem isso´. Mas, no fundo, ele participava, sim”, diz a delegada.

No quarto do jovem também havia um pen drive com um vírus capaz de invadir sistemas e redes sociais, além de implantar fake news. Os amigos do jovem disseram à polícia que ele comprou o vírus do curador de uma das páginas, por pouco mais de R$ 400, para cumprir parte das etapas do jogo.

Por meio das poucas conversas resgatadas do computador, a polícia identificou Marcelo*, de 18 anos. Ele teria sido o intemerdiário dos contatos entre o jovem morto e os administradores dos grupos pró-suicídio.

Marcelo também participava do jogo. Porém, disse ter desistido dos desafios porque não queria se matar. Em depoimento à Polícia Civil, o jovem declarou acreditar que o amigo foi influenciado a participar do jogo e a pôr fim à própria vida.

Para Onilton, no entanto, Marcelo teria sido o responsável por convencer o garoto a participar do jogo. “Não tenho nenhuma dúvida de que ele influenciou meu filho a entrar nisso. Meu filho era muito corajoso, então ele deve ter mostrado como funcionavam os desafios, para convencê-lo”, diz o pai.

Além de responder pelo crime de incentivo ao suicídio, que prevê prisão de dois a seis anos, se o ato for consumado, os administradores das duas páginas podem também responder por tentativas de suicídio que resultem em lesão corporal grave. Nesse caso, a pena pode variar de um a três anos de reclusão. Como os investigados são menores de idade, a condenação e cumprimento da pena devem seguir diretrizes do Estatuto da Criança e do Adolescente. Conforme a Polícia Civil, nenhum jovem foi apreendido até o momento.

Por meio de comunicado publicado em sua página no Facebook, os administradores da página ainda ativa negaram a realização dos desafios suicidas. Para eles, tais informações são “puro sensacionalismo da mídia”. “Menosprezamos tal conduta [de incentivo ao suicídio]. Consideramos um ato horrível. Buscamos ser uma família e ajudar a todos que precisam”, diz trecho do texto disponibilizado no grupo.

A delegada Sabrina Leles frisa que há provas suficientes para determinar o elo entre o grupo e o jogo que incentiva o suicídio. “Eles não vão confessar isso no Facebook, onde qualquer um pode ver. Esse incentivo acontece de modo individual. Tudo o que foi levantado pela Polícia Civil tem como base provas e declarações colhidas nas investigações.”

Conforme Leles, as apurações apontaram ainda que outros grupos de Facebook também teriam incentivado suicídios de adolescentes. “Os casos estão sendo investigados”, explica.
Outras mortes

Os suicídios de duas adolescentes de Goiás são investigados pela Polícia Civil, que suspeita que elas também possam ter sido incentivadas pelo grupo ainda ativo. As jovens moravam no município de Rio Verde. Uma delas, de 14 anos, se jogou do quinto andar do prédio de sua escola, em 7 de março. Semanas depois, a outra garota, de 13 anos, se enforcou no quintal de casa.

“Elas tinham, entre os amigos no Facebook, pessoas que seriam responsáveis por buscar novos membros para esses jogos. Mas só ao fim das investigações saberemos se elas também foram influenciadas”, comenta a delegada.

A atuação do grupo pode ter extrapolado fronteiras. A Polícia Civil investiga o suicídio de uma adolescente brasileira, de 15 anos, que morava no País Basco, região da Espanha.

De acordo com Leles, não é descartada a possibilidade de que as mortes de outros jovens tenham sido motivadas pelo grupo. “Não temos condições de investigar outros casos agora. Uma das dificuldades é que as investigações que envolvem questões virtuais devem ocorrer o quanto antes, após a situação.”
´Quero que eles sejam presos´

Desde que o filho caçula se matou, Onilton Pires tem se perguntado o porquê de o adolescente ter participado do grupo. “Ele era um filho muito estudioso, atencioso e não dava problemas para a gente. Ele não costumava sair muito e passava a maior parte de seu tempo em frente ao computador. Nunca passou pela nossa cabeça que ele tivesse pensamentos suicidas”, lamenta.

Ele conta que o filho se tornou mais introvertido e passou a dialogar menos com os pais nas duas semanas antes de morrer. “A minha esposa disse a ele que ele estava diferente. Ele respondeu que estava do mesmo jeito. Mas a gente via que ele estava mais triste e calado. O meu filho sempre foi muito extrovertido. Por isso, tínhamos decidido que iríamos procurar acompanhamento psicológico para ele, mas não deu tempo”, comenta.

O pai costuma se perguntar sobre as atitudes que poderia ter tomado para evitar que o filho atentasse contra a própria vida. “Talvez eu devesse ter tirado um dia para sentar ao lado dele no computador. Eu achei que com tudo o que proporcionava, estava protegendo ele do mundo. Mas na verdade, eu estava dando o acesso a ele ao mundo”, declara.

A psiquiatra Sandra Scivoletto afirma que é fundamental que os pais acompanhem as atividades dos filhos na internet e evitem o uso excessivo das redes sociais. “O uso inadequado dificulta acompanhar o que o filho vive e o que faz. Por isso, é importante os pais estarem próximos. É necessário conhecer um pouco mais sobre o mundo virtual dos jovens”, pontua.

Em meio às perguntas sem respostas sobre o filho, Onilton e a mulher, Cleide Pires, torcem que os envolvidos no grupo de incentivo ao suicídio sejam presos. “É o mínimo que esperamos. Tenho certeza de que se eles forem presos, a situação vai ser um pouco mais moralizada. As pessoas perderam o senso do perigo da internet e o limite”, assevera.

Onilton e Cleide têm buscado formas de seguir adiante, desde que perderam o filho. Nas próximas semanas, devem se mudar da casa em que viviam com o jovem. Para eles, a residência lembra o filho a todo instante. “A gente sabe que essa dor pela perda nunca vai passar, mas espero que ao menos amenize, para que possamos aprender a viver com ela.”

Terra

ComentáriosComentários